sábado, 29 de janeiro de 2011

Mitsuba - É uma casa japonesa com certeza...

Quem passa pela rua São Francisco Xavier, na Tijuca, nem repara a recondida esquina onde está localizado o Restaurante Mitsuba.
Esta localização discreta está em sintonia com a humildade que paira soberana na dupla dinâmica que comanda o restaurante, ou seja,  Homero "San" e o Chef Eduardo Nakahara, mais conhecido nos meios gastronômicos, simplesmente, como Dudu.
Quem entra no Mitusba quase sempre é recepcionado pelo Homero, que, além de um exímio conhecedor da culinária japonesa, é um gentleman e um excelente relações públicas, cativando os clientes através de suas aparições repentinas para informar os nomes dos pratos e a forma como são preparados.
Confesso que tenho um certo bloqueio para guardar os nomes de comidas japonesas, seus ingredientes, etc, porém, vou tentar ilustrar esta crônica da melhor maneira que eu puder, já que tive o cuidado de me preparar para esta postagem, fotografando e anotando os nomes dos pratos que degustei com alguns amigos, todos eles sugeridos pela batuta coordenada dos maestros Homero e Dudu.
Inicialmente, gostaria de dizer aos apreciadores de sashimi, que o Mitsuba é o único dos japas cariocas que pode ostentar a vaidade de ter, todos os dias, mais de 12 tipos de peixes sempre frescos, e que são ofertados através de um quadro que fica logo na entrada do restaurante, o qual fiz questão de fotografar para que todos pudessem ver.
Neste mesmo painel de delícias marinhas, também são apresentadas as ovas e as iguarias importadas que estão sendo ofertadas no dia, como as vieiras, as enguias, os mariscos do Alaska, mini-polvos, etc.

Como bons anfitriões, a todos os comensais que visitam este pequeno-grande espaço nipônico, é oferecido juntamente com o menu, uma entrada de boas vindas.
Para facilitar o tema da escolha da comida, o cardápio vem com quase todas as fotos dos pratos de sushis, sashimis, e outros, rotulados em japonês, mas, com a sua respectiva tradução em português.
Para aqueles que como eu apreciam a culinária japonesa, porém, não guardam seus nomes de fonética semelhante, sugiro então que aproveitem a dica que me foi ensinada dentro da gastronomia, ou seja, "deixe a escolha de algo na mão daqueles que entendem do assunto", portanto, pedi mais uma vez aos amigos Homero e Dudu que se encarregassem de nos oferecer um menu degustação onde pudéssemos sentir e apreciar de diferentes sabores e texturas.
Assim, deu-se início ao fabuloso jantar com a chegada de uma variedade de sashimis, que incluia salmão, atum, olhete, robalo e a maravilhosa cavala.
No meio da deliciosa degustação  destes peixes, aparece o Homero com a sua voz de locutor, suave, aveludada, avisando que a cavala havia sido pescada naquele mesmo dia, e que ele tem uma galera de amigos que praticam pesca-submarina, e que lhe oferecem para comprar parte do resultado obtido na pescaria.
Na sequencia, passamos para um prato com vários tipos de sushis, onde o Dudu selecionou para nós uma das suas criações, o que é preparado com vongole, acrescentando o de robalo, o de atum com pimenta e pasta de soja, o sensacional Tarako, que é o de ovas de bacalhau, e o incrivelmente saboroso, salmão brulé.
Já passavam das 22:30 horas, numa 5ª feira, e a pequena porta da entrada do Mitsuba abria e fechava freneticamente, num entra-e-sai de pessoas, as quais o Homero saudava a maioria delas pelo nome.
Quem visita o Mitsuba, não consegue mais ir comer em outros restaurantes de comida japa, pois, todos que apreciam o que é bom, com preço justo e bom atendimento, não trocam este local por nenhum outro, com certeza.
Voltando ao tema do nosso jantar, nos trouxeram uma segunda variedade de sushis, sendo que desta vez o mesmo era composto por xerelete com pesto de Shisô, robalo com molho cítrico e nabo ralado com pimenta, um outro robalo servido com um top de conserva de cogumelos (importada) e um fantástico sushi de salmão com um tartar de salmão defumado.
Quando pensamos que a degustação tinha terminado, diante da diversidade de tudo aquilo que nos foi ofertado, veio o Homero com mais um prato de sashimis, confirmando o que estava escrito no quadro, já que desta vez, o prato era composto por outros peixes como o pargo, o badejo, o remeiro (parente do olho de boi), o faqueco (parente do xerelete), e ainda o saboroso meka, que é o peixe-espada.
Depois de viajarmos por tantos sabores, aromas, texturas e muita informação sobre especiarias japonesas, que o maestro Homero conduzia como incrível habilidade, eis que chega o "prato-forte" (risos), um prato maravilhosamente montado pelo Dudu, contendo sushis com ovas de capelim (importado), que seria o tal peixe-voador, outro com shiitake e raiz forte, polvo, camarão e mais o de olho-de-boi.

Bem, agora era hora de parar de verdade, pois, certamente, comer mais seria um exagero!
Mesmo convictos do que escrevemos acima, sucumbimos diante do oferecimento de um Harumaki (nome dado a todos os rolinhos) de banana com canela, acompanhado com sorvete de creme, sendo que na nossa visita anterior, o Homero me fez provar um rolinho recheado de goiabada caseira com queijo catupiry e sorvete de queijo, que  me deixou eternas lembranças gustativas.
Bem, para aqueles que apreciam um bom sake, ou um chá, basta pedir uma sugestão ao Homero, pois eles têm uma boa seleção para ofertar.
Não poderia terminar esta postagem sem revelar a todos o significado da palavra Mitsuba, que deve ser lida como se tivesse o acento no A, e que é uma simples folha típica do Japão, composta de 3 follhinhas menores, parecida com a nossa salsinha, servindo também como tempero, sendo humilde e simples, porém, extremamente valiosa para a gastronomia, tanto quanto os nossos colegas do local que leva o seu nome.
Ao amigo Homero e ao Chef Nakahara, somente nos resta dizer:
Domo arigato gozaimashita (muito obrigado, sinceramente)!
Voltaremos em breve.
Jacques .'.

Um comentário:

Eliana Z. Brasil disse...

Amei. Amei. Quero esse tb ... kkkk
Vou aparecer qq hora e desgustar o árabe, q eu tb adoro. Cresci comendo, e tb no japa. Em Campinas tem um ótimo q chama Matsu. Bem parecido. Serve ostras frescas tb.